O treinamento em coerência cardíaca melhora a memória

Num estudo realizado por Keith Wesnes em Londres, em 18 voluntários sadios adultos (seis mulheres e 12 homens, com idade entre 20 e 53 anos, média de 32 anos), os participantes foram recrutados para avaliar o efeito potencial, no longo prazo, da capacidade de autorregulação e do treinamento em coerência cardíaca (VFC, HRV em inglês) sobre o desempenho cognitivo.

A função cognitiva foi avaliada usando um conjunto compreensivo de testes, baseados em computador, de atenção, concentração, vigilância, memória no curto prazo (no trabalho) e no longo prazo (episódica), antes da intervenção e novamente sete semanas depois dela.

Além disso, os participantes preencheram um questionário para medir a situação de calma e o estado de alerta. Após a coleta dos dados referentes à situação basal, os participantes tiveram um programa de treinamento de técnicas de comunicação coerente e instruções para usar o sistema de biofeedback VFC (variabilidade da frequência cardíaca).

Eles foram solicitados a usar as técnicas sempre que se sentissem estressados ou em discórdia emocional, e três vezes por semana durante pelo menos 10 minutos. Eles também foram encorajados a praticar as técnicas de comunicação coerente ao conversar com os outros. Depois de sete semanas, os participantes completaram os mesmos testes seguindo os mesmos protocolos usados para a medida basal.

Os resultados dos testes de desempenho cognitivo revelaram melhora significativa (p = 0,0049) da memória no longo prazo (episódica) e uma melhora marginal (p = 0,078) da memória no curto prazo. Houve uma tendência positiva dos resultados compostos, que refletiram a capacidade para prestar atenção e a velocidade na qual eles foram capazes de recuperar informação da memória.

A análise dos dados dos questionários mostrou que os participantes relataram sentirem-se significativamente mais calmos no final do estudo, em comparação com o início (teste t 2,44, p < 0,05). Este achado é notável, pois o Dr. Wesnes relatou que a magnitude da melhora foi significativamente maior que a melhora da qualidade da memória obtida num grande ensaio clínico sobre os efeitos de uma substância fitofarmacêutica para melhorar a memória (uma combinação de ginfko e ginseng) em voluntários sadios.

Os resultados mostram que a mudança da coerência cardíaca é muito fortemente relacionada às mudanças observadas na memória episódica e no estado de calma. Ela foi responsável por 21% da variação da melhora da memória de longo prazo e por 42% da variação do aumento relatado do estado de calma.

Fonte: https://www.heartmath.org/research/science-of-the-heart/health-outcome-studies/

Nos próximos posts veremos um resumo de outros benefícios obtidos com o uso do biofeedback cardíaco em pacientes em diferentes situações clínicas.

Você sabe que no Brasil já existe uma ferramenta de biofeedback cardíaco (HRV) disponível para auxiliar no tratamento da ansiedade? Para saber mais sobre essa ferramenta chamada cardioEmotion, faça download do e-Book “Como tornar visível o invisível: visualizando as reações psicofisiológicas por meio de biofeedback”.


Sobre o autor deste post: Colunista do blog do cardioEmotion, Dr. Fernando é formado em medicina pela USP, pós graduado em administração de empresas pela FGV, possui mais de 40 anos de experiência como executivo de sucesso em empresas multinacionais do ramo farmacêutico, além de escritor e tradutor sênior.