Este estudo de Schäffer S. K. e col. foi publicado em 16 de março de 2018 em BMCTrials, doi.org/10.1186/s13063-018-2554-2.

Resumo

Experiência atual

Fobias específicas estão entre os distúrbios mais comuns causadores de ansiedade. Terapia de exposição é o tratamento de escolha para fobias específicas. Todavia, nem todos os pacientes respondem igualmente a este tipo de tratamento. Portanto, atuais pesquisas focam em suplementos terapêuticos para aumentar e consolidar os efeitos da terapia de exposição.

Um potencial suplemento terapêutico é o biofeedback para aumentar a VFC (Variabilidade da frequência cardíaca ou HRV em inglês). Uma recente meta-análise mostrou os benefícios dos efeitos de intervenções com o biofeedback VFC sobre os sintomas de estresse e de ansiedade. Portanto, o objetivo do atual ensaio clínico foi avaliar os efeitos do biofeedback VFC, praticado antes e usado durante a exposição, em indivíduos com medo de aranhas. Além disso, este estudo clínico foi o primeiro a diferenciar entre os efeitos da intervenção através do biofeedback VFC e os de uma tarefa de memória de trabalho de baixa carga (MT).

Métodos

Oitenta indivíduos com medo de aranhas participaram deste estudo. Todos os participantes receberam uma sessão de treinamento, na qual eles realizaram duas tarefas (biofeedback VFC e uma tarefa motora de pseudo biofeedback VFC, ou duas tarefas motoras de pseudo biofeedback VFC). Em seguida, eles treinaram ambas as tarefas em casa durante seis dias. Uma semana depois, durante a sessão de exposição, eles observaram 16 vídeo clips de aranhas de 1 minuto de duração. Os participantes foram divididos em quatro grupos: o grupo 1 praticou o biofeedback VFC e uma pseudo tarefa motora antes da exposição e usou o biofeedback VFC durante a exposição; o grupo 2 recebeu o mesmo treinamento, mas continuou a tarefa de pseudo biofeedback VFC durante a exposição; o grupo 3 realizou duas tarefas de pseudo biofeedback VFC e continuou uma delas durante a exposição; o grupo 4 treinou duas tarefas de pseudo biofeedback VFC e não teve tarefas adicionais durante a exposição.

O principal resultado foi o medo de aranhas (medido pelo Questionário de Medo de Aranhas e pelo Teste de Abordagem Comportamental). Os resultados secundários foram medidas fisiológicas baseadas em atividade eletrodérmica, eletrocardiograma e respiração.

Discussão

Este ensaio clínico randomizado foi o primeiro a investigar os efeitos do uso do biofeedback VFC treinado antecipadamente durante a exposição, em indivíduos com medo de aranhas.

Este estudo contrastou criticamente os efeitos da intervenção através do biofeedback VFC com os de pseudo tarefas, que também requereram capacidade MT, que não tem uma base fisiológica. O biofeedback VFC sendo eficaz em reduzir o medo de aranhas, representa uma ferramenta fácil de usar para melhorar os resultados da terapia de exposição.

Já existe disponível no Brasil uma ferramenta complementar-integrativa, o cardioEmotion, inventada e desenvolvida por mim para avaliação da VFC.

Para saber mais sobre o cardioEmotion, baixe gratuitamente o e-book “Como tornar visível o invisível” e/ou inscreva-se para fazer o curso do mesmo nome, que é ministrado diversas vezes por ano, em diferentes locais, por:

Prof. Dr. Marco Fabio Coghi

Pesquisador, responsável científico pelo desenvolvimento do cardioEmotion. Químico e Fisioterapeuta pós-graduado, professor convidado de diversos cursos de pós-graduação (UNICID, UNIFESP, CETCC entre outros); especialista em biofeedback cardiovascular. Palestrante nacional e internacional. Escreveu diversos e-books sobre o tema: coerência cardíaca e biofeedback. Autor de três patentes de invenção. Instrutor de Yoga pós-graduado; terapeuta Ayurveda com estágios realizados na Índia. Hipnoterapeuta. Diretor Científico da NPT – Neuropsicotronics, diretor da Clínica TAMA e da INTELECTUS Clínica e Escola.

Prof.ª Silvana P. Cracasso

Mestranda na UNIFESP em Técnicas Contemplativas. Aprimoramento em técnicas de Atenção Plena e Mindfulness para Saúde. Docente do curso de pós-graduação na UNINOVE. Pedagoga, especialista em Psicopedagogia, Dependência Química, Neuropsicologia do Desenvolvimento. Aprimoramento em Psicofarmacologia, Terapia Cognitivo Comportamental (TCC) para Desafios Clínicos; Avaliação Neuropsicológica Interdisciplinar; Neuropsicologia Clínica Aplicada à Reabilitação. Educação Emocional e Neurofisiologia das Emoções. Palestrante e formadora de lideranças em Habilidades Socioemocionais. Diretora e coordenadora de atendimento terapêutico da Clínica TAMA e Diretora da INTELECTUS Clínica e Escola.